Procedimentos Otorrinolaringológicos

Roncos e Apneia Obstrutiva do Sono

O ronco pode ocorrer por vários motivos:

  • Tônus muscular pobre na língua e na garganta – quando esta musculatura está muito relaxada, por drogas indutoras do sono, álcool, ou mesmo no sono profundo, a língua “cai” para trás e há diminuição do espaço da via aérea
  • Volume excessivo dos tecidos da garganta –por exemplo crianças com hipertrofia de amídalas e/ou adenoides, ou pessoas obesas, que têm pescoço volumoso, porque possuem uma infiltração gordurosa na língua e no palato mole
  • Palato mole e/ou úvula alongados – provocam um estreitamento da abertura do nariz para a garganta e quando se movem, funcionam como uma válvula que vibra durante a respiração relaxada
  • Vias aéreas obstruídas – um nariz entupido requer um esforço extra para a inspiração, provocando um vácuo nos tecidos moles da garganta, causando o ronco. Então em algumas pessoas, o ronco pode ocorrer somente durante algum resfriado, sinusite ou crise de rinite
  • As alterações e deformidades do nariz ou do septo nasal, como o desvio de septo também podem causar obstrução nasal e roncos

O ronco é um problema sério pois altera o padrão de sono da pessoa e a priva do sono repousante. A pessoa que ronca se torna sonolenta durante o dia, desatenta, irritada, e um motorista perigoso, pois pode dormir enquanto dirige…. Após muitos anos com este problema, pode ocorrer aumento da pressão sanguínea e sobrecarga do músculo cardíaco.

Uma polissonografia pode ser necessária para determinar a seriedade do ronco e seus efeitos na saúde do paciente.

O tratamento depende do diagnóstico, mas deve-se ter em mente que o ronco é uma associação de vários fatores (obesidade, estresse, posição de dormir, cigarro, vida sedentária, retroposicionamento da mandíbula, obstrução nasal).

Algumas medidas podem ser feitas para melhorar o ronco:

  • a pessoa acima do peso deve emagrecer e adotar uma alimentação balanceada;
  • deve-se evitar o sedentarismo;
  • a posição de dormir deve ser mudada para a posição de lado;
  • antes de dormir deve-se evitar bebidas alcoólicas, cigarro, refeições pesadas (por pelo menos 4h antes de dormir);
  • evitar medicações que induzam ao sono;
  • tentar estabelecer hábitos regulares de sono;
  • elevar a cabeceira da cama.

Uma avaliação completa revelará se o ronco é causado pela rinite alérgica ou infecção (que requerem tratamento clínico), desvio de septo ou hipertrofia adenoamidaliana (cujo tratamento é cirúrgico).

Se o palato e úvula permanecerem redundantes mesmo após a cirurgia (de adenoamídalas ou septo), podem ser corrigidos com a uvulopalatofaringoplastia, que corrige a flacidez e o efeito “cortina” de vibração do palato durante a respiração. Esta cirurgia é feita num segundo tempo cirúrgico, pois não é aconselhável que seja associada às anteriores devido ao extremo desconforto e dor muito intensa no pós-operatório, e também pelo fato de que o palato e a úvula podem estar apenas edemaciados (isto é, inchados devido à respiração bucal) e podem voltar ao normal uma vez corrigido o problema respiratório.

O método mais eficiente para o tratamento da apnéia no momento, é o emprego do CPAP(continuous positive airwaypressure). Este aparelho consiste em uma máscara adaptada ao nariz do paciente conectada a um compressor que leva o ar de forma continua para a via aérea, impedindo o seu colabamentoe conseqüentemente a apnéia. A aderência ao tratamento é grande e a melhora é indiscutível quanto à qualidade do sono, mas alguns pacientes reclamam que apesar da melhora da apnéia há um ressecamento da mucosa, além do incômodo do barulho do aparelho e de sua necessidade de uso diário.

Deve-se ter em mente que a boa permeabilidade nasal é primordial para o bom resultado do tratamento.